Sabia que nas paredes da gruta de Altamira estão preservadas muitas imagens invisíveis ao olho humano? Neste artigo, vai ver como se podem documentar estas imagens usando técnicas de análise de imagem hiperespectral.

Além dos famosos bisontes

A gruta de Altamira está localizada em Santillana del Mar (Cantábria, Espanha) e foi incluída em 1985 na Lista do Património Mundial pela UNESCO. É conhecida como a “Capela Sistina” da arte do paleolítico superior pelo seu famoso Tecto dos policromado e pela importância da sua arte rupestre paleolítica.

Precisamente, o estudo da arte foi concentrado no famoso tecto dos policromo com os seus bisontes, que os artistas pintaram durante mais de 20.000 anos. No entanto, Altamira possui um grande número de representações artísticas espalhadas ao longo dos seus 290 metros de extensão, que não foram analisadas detalhadamente e que, em muitos casos, nunca foram publicadas. A conservação da gruta de Altamira e das suas representações artísticas requer um inventário completo, a sua documentação técnica e a atualização do conhecimento dessas representações, através da aplicação das técnicas atualmente disponíveis. A equipa da GIM Geomatics, especializada na gestão do património histórico, iniciou a revisão e atualização do catálogo de arte rupestre com o apoio técnico da INFAIMON. O desenvolvimento do método e dos protocolos de trabalho foi implementado em vários painéis da gruta.

Nas paredes da gruta de Altamira estão preservadas muitas imagens invisíveis ao olho humano. É possível recuperá-las para o conhecimento da arte rupestre e para a ciência através do uso de técnicas de fotogrametria e sensoriamento remoto hiperespectral terrestre nos trabalhos de documentação da arte na gruta.

A integração de técnicas de análise de imagens permite documentar a arte rupestre de forma não intrusiva, rigorosa, segura e detalhada. Estas técnicas são capazes de oferecer resultados 2D e 3D que podem ser utilizados em qualquer estudo, fornecendo uma grande quantidade de dados de grande utilidade para interpretação, e deste modo alterar a maneira como se entende as figuras.

Equipe de documentação a trabalhar na gruta

A arte escondida que viu a luz

A espectrografia de imagem, ou sensoriamento remoto hiperespectral, permite detetar nas zonas da gruta onde a rocha absorveu elementos químicos que compunham os pigmentos, com os quais foram pintadas as imagens que não já não se conseguem ver. Esta é uma das linhas de investigação em que trabalha atualmente o Museu de Altamira e através da qual serão conhecidas imagens da arte de Altamira até agora desconhecidas. A equipe de trabalho utilizou nas suas análises a câmara hiperespectral portátil Specim IQ, que é capaz de identificar a composição química dos pigmentos in situ de forma rápida e com total garantia.

O suposto cavalo que possivelmente é uma cabra (Figs. 9 a 12)

Essa figura que foi inicialmente identificada como um cavalo é na verdade a representação de uma possível cabra, definida pela força do seu corpo, a cabeça pequena e o que parece ser os restos dos chifres, certamente menos visíveis que o resto do corpo. Na parte inferior aparecem restos indecifráveis de outra figura, também em preto.

Captura completa e análise de traços em saliência rochosa (Figs. 13 a 16)

Esta figura está pintada na parte inferior de uma saliência rochosa, que sobressai cerca de 20 cm em média e tem 250 cm de comprimento. É formado por quatro bandas escaliformes pintadas a vermelho. Em primeiro lugar, é gerado um modelo 3D do símbolo (Fig. 13) e uma ortoimagem do grande sinal (Fig. 14). O método de trabalho aplicado permitiu obter dois resultados valiosos. Por um lado, a captura integral da figura, até então impossível devido à sua localização (Fig. 14).

Por outro lado, foram obtidas informações sobre a técnica aplicada e a distinção entre duas áreas gráficas diferentes (Figs. 15). As diferentes linhas, que até agora pareciam resultar de um estado de conservação diferente das duas áreas, pode na verdade ser dois procedimentos técnicos diferenciados.

Análise de cores ocultas (Figs. 21 e 22)

Este pequeno espaço encontra-se oposto ao anterior, mas na realidade ambos fazem parte da mesma fissura e estão ligados na parte inferior. No trabalho inicial do arqueólogo e geólogo francês Henri Breuil, foi assegurado que este espaço estava totalmente pintado de vermelho, algo que não tinha sido possível verificar, já que não se observam atualmente vestígios da cor ao olho humano.

Análise de arte com Specim IQ

A aplicação dessas técnicas na gruta de Altamira significou um melhoramento na análise e no conhecimento de representações artísticas pouco visíveis. Com Specim IQ, não há risco de danificar as obras de arte: a análise hiperespectral é uma forma não invasiva e segura de recolher dados de pinturas e manuscritos.

No vídeo a seguir, Marcello Picollo, investigador no CNR no Instituto Nello Carrara de Física Aplicada de Florença, demonstra como o Specim IQ é usado na análise e preservação de obras de arte.

INFAIMON

Quer falar com um especialista?

Oferecemos-lhe soluções inovadoras, suporte técnico e um serviço personalizado para integrar a visão artificial nos seus projetos. Contate-nos!